Qua08212019

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

06 Set 2013

MINISTRA ABRE PORTAS PARA CORRUPÇÃO LEGAL

Escrito por 

Estamos em setembro de 2013 e os ecos da Revolução – revolução verdadeira, como dizia a Veja – de Junho deste mesmo 2013 já parecem ter-se perdido no tempo. As velhas práticas corruptas continuam a pleno vapor e a ousadia dos deputados nunca foi tão longe: mantiveram o mandato de um cúmplice condenado e cumprindo prisão. O caminho foi aplanado por essa corte de vestais, o STJ, que delegou aos cúmplices do criminoso a tarefa de proteger seu mandato.

 

Espera-se, para o próximo sábado, uma segunda edição da revolução. Pelas primeiras declarações dos revolucionários, o alvo desta vez será os mensaleiros. Alvo um tanto tardio. Os mensaleiros já foram inclusive condenados. Se cumprirão suas penas é outra questão, já que ser condenado à prisão, no Brasil, não é sinônimo de ir para a prisão. (Pode-se, inclusive, ir para o Congresso). Curiosamente, os revolucionários de junho de 2013 sequer lembraram dos mensaleiros em junho passado.

Ocorre que o Brasil é de um dinamismo ímpar. Os escândalos já são outros. Mensaleiros pertencem à pré-história. Agora temos o governo financiando a mais antiga ditadura do Ocidente, que envia ao estrangeiro para captar divisas uma nova categoria profissional, os médicos-escravos. E a ministra da Cultura financia desfiles de modas em Paris, com o dinheiro de contribuintes que talvez jamais tenham chance de ir a Paris.

Quem dá explicação já perdeu a discussão, dizia eu há pouco. Quanto mais se explicam, mais se enrolam os senhores ministros. Sobre os médicos cubanos, disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha:

- Validando o diploma deles, esses médicos poderão pleitear fazer concurso para ir trabalhar no Miguel Couto, onde não precisamos deles, ou abrir consultórios e competir com os brasileiros, e isso também não queremos.

Ou seja, os cubanos não terão os mesmos direitos de um médico brasileiro. Oficialmente, são proibidos de fazer concursos, abrir consultórios e competir com brasileiros. Onde se viu escravo ter mesmos direitos que cidadão livre? Ao ser perguntado sobre o desconto que o governo cubano faz no contra-cheque de seus médicos, Gilberto Carvalho, ministro da Secretária Geral da Presidência da República, afirmou que não compete ao Brasil fazer comentários sobre o assunto.

— Não nos cabe entrar nesse debate. Cuba investiu muito nesses médicos. Fez uma prioridade para a questão da saúde, investiu nesses médicos. Nós entendemos que é justo que o povo cubano, que se sacrificou pela formação desses médicos, tenha também a possibilidade de auferir dos rendimentos que esses médicos têm no país. Mas é uma discussão entre os médicos e o seu país, não nos cabe entrar nesse detalhe. Estamos pagando para eles o que pagamos para outros médicos.

Esqueceu o ministro que o governo cubano, ao tungar parte do salário de seus funcionários, está fazendo o mesmo que fazem deputados que embolsam parte do salário de seus auxiliares. O fato não é raro entre nós. Com o precedente dos médicos cubanos, poderia muito bem ser legalizado.

A desfaçatez maior coube à dona Marta Teresa Smith de Vasconcelos Suplicy, ministra da Cultura, que em artigo para a Folha de São Paulo justifica o injustificável. Dona Marta Teresa considera perfeitamente nornal que o contribuinte brasileiro financie desfiles de moda em Paris, através da lei Rouanet:

- A moda também gera símbolos. Marcas que, de tão importantes, se tornam até sinônimo da cultura do país. Atraem turistas, agregam valor a outros produtos e se, combinadas com gastronomia, música, monumentos, potencializam uma imagem positiva e contribuem para o "soft power" do país.

Mais um pouco, estaremos financiando a divulgação da feijoada e do funk, do Cristo Redentor e do futebol, do samba e do carnaval. A ministra é franca:

- A porta está aberta. Muitos passarão, sem tanto estardalhaço, para ampliar a marca Brasil, aumentar investimentos, exportar nossos produtos, gerar emprego e renda para brasileiros.

Como estamos no plano daquelas corrupções com foros de legalidade, financiar desfile de modas será café pequeno.

Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste!

Criança! não verás nenhum país como este!

Última modificação em Sexta, 06 Setembro 2013 20:35
Janer Cristaldo

O escritor e jornalista Janer Cristaldo nasceu em Santana do Livramento, Rio Grande do Sul. Formou-se em Direito e Filosofia e doutorou-se em Letras Francesas e Comparadas pela Université de la Sorbonne Nouvelle (Paris III). Morou na Suécia, França e Espanha. Lecionou Literatura Comparada e Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina e trabalhou como redator de Internacional nos jornais Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo. Faleceu no dia 18 de Outubro de 2014.

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.