Seg05252020

Last updateDom, 01 Set 2013 9am

30 Mar 2020

CORONAVÍRUS E OUTROS MALES

Escrito por 


Isso é muito pior que esse vírus passageiro.

POR: NELSON LUIZ NEVES BARBOSA

 

Primeiramente, temos que saber a verdade sobre essa doença, suas consequências, e a melhor intervenção/tratamento recomendado principalmente para o Brasil.

Está em jogo a saúde e vidas de brasileiros principalmente aqueles com mais de 60 anos, cerca de 27 milhões de pessoas. E também a saúde mental e financeira do país, formada pela população entre 18 a 50 anos, cerca de 126 milhões de pessoas, a força de trabalho brasileira. Abro aqui um parênteses: a força de trabalho é representada na realidade pela população entre 18 a 60 anos, mas para prevenção e cautela pelo controle desta epidemia do coronavírus, vamos sugerir aqui neste período de contaminação, que a população que possa sair ao trabalho fique na faixa de 18 a 50 anos, onde a taxa de mortalidade é mais baixa- 0,4%. É preciso dizer ainda que há razoável participação no trabalho de pessoas situadas na faixa entre 60 a 70 anos, principalmente em cargos importantes, mas neste momento e neste estudo, sugerimos que trabalhem à distância, se preservando mais, pela fragilidade e suscetibilidade de sua faixa etária ao vírus.

Vejam as taxas de mortalidade desses 27 milhões de pessoas:  cerca de 15 milhões estão entre 60 a 70 anos, cujas taxas de mortalidade do coronavírus (3,6%), verificadas em países de clima frio, são bem mais altas que no caso do Brasil. Seriam 540.000 óbitos, se estivessem num clima menor que 12ºC. Aqui, clima bem maior que 22ºC, onde a atuação do coronavírus vai ser bem menor, faz cair aquele número, mas não considerado aqui neste artigo. Na faixa de 70 a 80 anos, temos uma população ao redor de 8 milhões de pessoas e a respectiva taxa de mortalidade é 8%. Disto resulta que cerca de 640.000 pessoas iriam a óbito. Acima de 80 anos, há cerca de 4 milhões de pessoas e a taxa de mortalidade é 14%, que poderia resultar em cerca de 560.000 óbitos. Usei o verbo no condicional pois há estudos científicos que apontam outras doenças crônicas e letais atuando fortemente nas faixas etárias a partir de 70/80anos. Sofrem de diabetes - taxa de mortalidade - 9,9%, hipertensão - taxa de 8,4%, câncer - taxa de 7,6% e asma - taxa de 8%. Na conclusão dos estudos e pesquisas científicas dos mais idosos, alegam que a taxa de mortalidade dessa soma e combinação das citadas doenças crônicas e letais, fica 9 (nove) vezes maior quando comparada com as raras pessoas sem doenças nesta faixa etária. Portanto as mortes ocorridas nesta faixa não podem ser atribuídas somente ao coronavírus, e se divididas por 9 (nove), conforme a indicação dos estudos, representam um número mais real pelo estrago da ação isolada do coronavírus. Mas reconhecemos que a fragilidade entre a faixa acima de 80 anos é superior à faixa que fica entre 70 a 80 anos. Portanto, achamos que a taxa de mortalidade entre 70 a 80 anos não deva ser dividida por 9, e damos um chute aqui, dividindo-a por 5, para evitar erros favoráveis ao caso Brasil. Nesta faixa teríamos então 128.000 óbitos entre 70 a 80 anos. Na faixa dos 80 anos, apontando 560.000 óbitos, deve sim ser dividido por 9 (nove) como indica a pesquisa pois a fragilidade é maior. Temos então o número de óbitos relacionados ao coronavírus, que é de 62.000 pessoas. A soma destas 2 faixas nos dá o número de 190.000 óbitos representando a população acima de 70 anos

Devemos ainda considerar um segundo fator, que faltou ser citado acima, e que faz o coronavírus ser bem mais ameno nos países de clima quente. O coronavírus não se dá bem no calor e isso freia em parte sua transmissão. Sem citar números podemos concluir que esse número deve ser menor na realidade, mas não será também considerado nestes cálculos desse artigo.

E na faixa abaixo de 50 anos, mesmo comparando com os países de clima frio, com pesquisas de dezenas de pesquisadores mundiais, podemos dizer que fica ao redor de 0,4%. Considerar ainda que muitas taxas de mortalidade consideradas nas pesquisas mundiais até agora, deveriam ser menores, pois boa parte de pessoas infectadas pelo vírus não entraram na contagem de novos casos. Muitos já tinham o vírus e não apresentavam sintomas. Já detectaram muitas pessoas com anticorpos da doença- tiveram a doença e não apresentaram sintomas. Continuando com nossos cálculos temos agora a taxa de mortalidade de 126 milhões, abaixo de 50 anos (faixa da força de trabalho), somando mais 504.000 pessoas (taxa 0.4%). E a soma total fica= 694.000 mortes esperadas para o Brasil, o que daria uma taxa de mortalidade esperada e igual abaixo de 0,5%.

Primeira conclusão, já comentada e repetida pelos bons pesquisadores e médicos. A taxa de mortalidade do coronavírus é bem baixa, principalmente na faixa da força de trabalho brasileira. Por que então isolar a força de trabalho? Por que toda essa Pandemia? Por que escolheram apenas a quarentena para enfrentar um inimigo de baixa mortalidade? A OMS recomenda assim, pois trata a doença do modo que começou e onde começou, nos locais e época bem fria. Mas há centenas de pesquisas e posições de estudiosos e cientistas que estudando o assunto descobriram mais detalhes sobre a problemática toda e recomendam outras alternativas de intervenção e controle da epidemia. Já sabem que o comportamento e agressividade do vírus é diferente para climas frios e quentes. Estamos no Brasil, em Fevereiro/Março, época do começo desta epidemia aqui, onde a temperatura é muito superior a 22ºC, situação inadequada e imprópria para o coronavírus. A maior parte do conhecimento e dados sobre esta doença tem origem onde a temperatura era inferior a 12ºC., portanto as taxas de mortalidade devem ser menores aqui entre nós. Além disso, há também centenas de cientistas recomendando outras e novas atitudes e comportamentos para combater o vírus, destacando-se para nosso país a intervenção vertical. Isolar apenas os mais suscetíveis, quem estiver com sintomas e os casos mais graves. E liberar a força de trabalho para continuar com seus afazeres e evitar outros dissabores que serão muito mais prejudicais que o coronavírus. Difícil de entender? Para bons entendedores está tudo claro e transparente. Para urubus aproveitadores pode ser o fim de seus terríveis e nojentos planos. Podemos e devemos sim, direcionar recursos para esse tipo de intervenção, reforçando o diagnóstico precoce, melhor tratamento para os mais necessitados, fornecer vitaminas e tudo que puder reforçar a saúde  da força de trabalho, de modo que fique mais resistente aos efeitos desta doença. Podemos liberar a força de trabalho gradualmente, colocando a metade da mesma em ação por 15 dias. E tomando todos os cuidados: separar sapatos/lavar roupas/tomar banho imediato ao entrar na casa/máscara etc. Estudar um revezamento com o restante nos próximos 15 dias, de modo que se houver contaminados, sejam em menor número. Enfim a criatividade brasileira é exemplar e vamos nos adequando à situação. Os mais jovens e trabalhadores até 50 anos, bem tratados e alimentados, sem neuras, tomando sol e ar puro, poderão pegar sim a doença, mas seus efeitos serão pequenos e passageiros. E faz parte a maioria da população pegar o vírus, adquirindo anticorpos, situação necessária para cessar e eliminar esse assustador vírus. O desaparecimento da doença precisa passar pelo pico da infestação e depois desaparece de vez, quando a maior parte da população já estiver protegida naturalmente por anticorpos.

Continuar sempre, evitando aglomerações, ser mais cauteloso, lavar as mãos, se isolar se apresentar sintomas. Novas recomendações, úteis e não desastrosas/extremistas serão sempre bem vindas e compreendidas pela população. Mas não precisamos de recomendações drásticas, extremas que possam causar males maiores e maldosos. Se isso perdurar teremos outros males muito maiores que os estragos do coronavírus. Vai faltar alimento, quebradeira de milhares de pequenos empresários, vão ocorrer saques, assaltos e o caos. E ainda mais doenças como depressão, nervosismo associado a infartos e complicações, e mais desempregos, diminuição do poder do mercado interno e muito mais. O caos!

 A segunda conclusão é muito triste! Infelizmente, parece que isso é o desejo de uma corja de ordinários antipatriotas! Querem enfraquecer a Economia e consequentemente o Bolsonaro, arrumando um cenário mentiroso e brutal para tirá-lo do poder. A corja é formada por um grupo já definido e atuante: pelos políticos com processos (como pode alguém ser presidente de entidade importante, com vários processos?), formada por políticos da velha guarda acostumados a mamar no governo,  pelo STF, por partidos da esquerda e mais a mídia comandada por esquerdopatas. E pior, por governadores ansiosos por enfraquecer seu principal concorrente para a presidência do Brasil. Isso é imperdoável! Mentindo, diz que está preocupado em salvar vidas, mas quer na realidade arrebentar a Economia, e o Brasil, pensando que vai chegar à presidência. Além de imundo é pouco inteligente. Pensa que o povo não enxerga esse planinho safado e rasteiro. Pouco inteligente duas vezes: pode dizer adeus a sua carreira política, pois não vai ganhar mais nada! O povo não gosta de mentiras, armações, traições e ganância exagerada, capaz de abandonar no meio, o extraordinário cargo de prefeito de SP, para concorrer a um cargo maior ainda. Pouco inteligente três vezes, porque dá armas para a esquerda retomar o poder. A verdade é essa! Estão já há bom tempo tentando enfraquecer o presidente porque ele acabou com a mamata, com a corrupção, com favores sórdidos. Está fazendo muita coisa boa ao país, apesar de seus programas e propostas serem barrados e repudiados pela Câmara e Congresso. Apesar da mídia mostrar muito mais aquilo que pode prejudica-lo. Quanta gente ordinária nisto tudo!  Pois sabem que logo serão punidos por esse governo. A verdade é essa! Mentiras e armações para conseguir seus objetivos canalhas!

Isso é muito pior que esse vírus passageiro. Isso é nossa grande epidemia e que precisa ser combatida! Acordem brasileiros! E ajudem a eliminar o grande mal que nos assola! Precisamos sim, de atitudes extremas e rigorosas para combater a corrupção, os políticos sujos e safados e todo esquema criado pelos mesmos. Pobre Brasil!

 

Última modificação em Segunda, 30 Março 2020 17:05

Deixe um comentário

Informações marcadas com (*) são obrigatórias. Código HTML básico é permitido.

  • Copyright © 2007. www.rplib.com.br . Todos os direitos reservados.

    Republicação ou redistribuição do conteúdo do site RPLIB é permitido desde que citada a fonte. O site RPLIB não se responsabiliza por opiniões, informações, dados e conceitos emitidos em artigos e colunas assinados e nos textos em que é citada a fonte.